sexta-feira, 25 de maio de 2007



As árvores mesmo depois de mortas

Exalam o cheiro do fruto

Que não germinou

1 comentário:

Carlos disse...

Tem um texto do escritor Shel Siverstein, que diz mais ou menos assim:
Uma árvore na beira da estrada, e os passantes param para coler seus frutos, sem ao menos se preocupar com os frutos ainda não maduros, que iram se perder por serem colhidos antes da hora,e descartados por não serem bons para comer.Sem se importarem ao pisar em seus brotos.Retiram-lhes as flores que são deixadas pelo caminho, cravam-lhes iniciais em seus troncos,ferindo-a.E a árvore sem revolta continua a doar seus frutos doces e tenros, matando não só a fome, mas a necessidade de comer.
Seu texto diz muito disso, oferece o seu melhor mesmo quando sem vida.
Meus parabéns!

Prof. Carlos